“Coloque vinte centavos no slot

Se você quer ver a vida em rosas.

A dor mata, amigo, a vida é dura…”

Raúl González Tunon

Argentina

Brutal agressão policial em San Nicolás: NÃO à impunidade!

Rede latina sem fronteiras

7 de janeiro de 2023

.

Chamada de denúncia e solidariedade sem fronteiras com a advogada ambiental Ana Fernández, espancada e presa ilegalmente em San Nicolás, Província de Buenos Aires.

Novo episódio de violência institucional no município de San Nicolás, onde prevalecem as negociações e a apropriação indevida de terras públicas em benefício dos interesses impostos pela indignação e corrupção municipal.

Continua a violência mafiosa das administrações municipais e provinciais que procuram intimidar, impor a hegemonia do saque e da subjugação social.

Reprimem para anular as vontades que dignamente denunciam e conclamam a resistir aos modelos neoliberais de usurpação territorial, destruição de espaços naturais para usufruto de máfias partidárias e empresas associadas.
DEFENDER-NOS

também é DEFENDER DEFENSORES

É preciso defender todas aquelas vontades rebeldes que denunciam e resistem ao sacrifício dos bens comuns em benefício do crime institucionalizado. Defender os espaços naturais e sociais compartilhados hoje sem privatizar os especuladores é a única alternativa realista; opõe-se à submissão de uma oposição “que finge e recua” antes da rendição, que se proscreve de resistir, argumentando razões de conciliação da passividade e da subordinação. A desmobilização colaboracionista justificada com base na aritmética dogmatizada das chamadas “relações de força” eleitorais é um fato. Agitando o “cuco dorachadura

“, apelam à recusa de qualquer iniciativa e tarefa de autodefesa social, convivial, do habitat ainda disponível e partilhado fora do marketing e da sua pilhagem. DEFENDER HOJE

é realmente possível e acessível. Trata-se de assumir estas resistências como atos legítimos de autodefesa social, mas também para a vida como um todo, mais diversa e plenamente.

O que é real é aqui e agora, mesmo contra a corrente, pregando a estaca de amarração para defender os espaços e as vidas que sobrevivem -em liberdade condicional- para se autodeterminar, respeitar e reproduzir a existência integral e não aumentar os lucros do extermínio natural e comunidade.

Qualquer proposta de se calar e consentir hoje, à espera de outros futuros, tão imaginários quanto imprevisíveis, quando supostamente estariam reunidas as condições ideais para exigir a recuperação dos espaços hoje entregues e destruídos. Estas mensagens de ventriloquismo nada mais são do que cortinas de fumo para esconder a tecelagem e a cumplicidade com o poder saqueador que hoje assola territórios e habitantes de toda a espécie que não pagam impostos à exploração, nem se submetem a servidãos fiscais e sacrifícios.

De pouco alcance e curta duração seriam os ataques dos inimigos declarados, dos destruidores de territórios e povos livres; sem a cumplicidade cada vez menos dissimulada dos zagueiros da derrota. Aqueles quadros do partido que carregam os bastões de comando em suas mochilas; para reunir e manter milhares de vítimas patrocinadas na esteira.

Canavieiras e cozinheiras das receitas do “bom” capitalismo, temperadas com louros que outros souberam alcançar. Continuam a pedir paciência e resignação. Em troca de algumas moedas, espelhos coloridos e selos milagrosos do Vaticano; Eles exigem ficar de fora, não atrapalhar as estradas por onde circulam os piores comércios e traficantes. Eles ainda têm a coragem de pedir a reconciliação com aqueles que sempre vêm cortando suas gargantas…

Como em outros tempos de resistência digna ao saque e à corrupção instituída, hoje não poderão calar as vozes que denunciam e defendem os bens comuns das populações que habitam e protegem terras e águas, as suas próprias condições naturais e sociais, onde recriar a vida e o trabalho a partir de suas próprias forças e convicções. Comunidades que devem lutar até para se defender de envenenar até o ar que respiram. É assim que as coisas são sérias nesta colonialidade de bandos e bandidos que encobrem as piores entregas e deserções.

Perante esta realidade de desapropriação à força de fogo, bulldozer e “muito pau para aprenderem”, o que continua a estalar é o cartão pintado e as canções de embalar que pedem sestas desafinam todos os dias. Atos de repressão são repetidos para promover a desapropriação. NoCatamarca ,chubut ,Rio Preto ,Mendoza ,Salta ,Córdoba nas ilhas e costas doRio Paraná

Em várias regiões do país, populações autoconvocadas com base nas suas próprias convicções e forças, mobilizaram-se em assembleias e continuam a denunciar, apelando à resistência.

É agora que se deve acentuar a solidariedade ativa, exprimir-se sem engasgos e agir sem sectarismo, desmascarando os repressores e seus constituintes; dando apoio às vítimas agredidas e a defesa de suas justas demandas. Promovendo a confluência de lutas companheiras, chutando o tabuleiro da impunidade, estabelecendo pontos de apoio em comum, ampliando o alcance de suas vozes e mensagens, trocando conhecimentos e experiências com tantas irmãs rebeldes de nossa América. Ao contrário da propaganda desmobilizadora, o futuro SIM

é determinado pelo que é feito ou não feito aqui e agora. Não há futuro predeterminado que garanta justiça e bem-estar social, proteção ambiental e soberania popular; fora do compromisso real de prevenir já a destruição dos espaços naturais e sociais onde a existência se sustenta com base no próprio trabalho e no respeito pelo habitat que o sustenta.

Sem a liderança social dos próprios habitantes da região, das áreas terrestres, fluviais e/ou marítimas ameaçadas, não há a menor garantia de um futuro melhor que supere o ecocídio em curso, o despejo gradual de comunidades e famílias moradoras/trabalhadoras que de serem violentamente condenados à resignação obediente, para impor-lhes desapropriação e exclusão.

Os atos de violência, de uma institucionalidade corrupta e arrogante, que busca se impor pelo medo, somam e continuam. Para isso contam com a cumplicidade do partido dominante e do aparato político empresarial que os promove. Eles também exigem uma ampla margem de silêncios e dissimulações pré-pagos. Em última análise, a impunidade.

Só uma consciência social alerta, comunicada e mobilizada poderá travar a renovada barbárie neoliberal em curso. É notório que, sob diferentes siglas e cores, concorrem requerentes de administração de dependências e extrativismo cujos contratos já foram pactuados. Suas proclamações eleitorais com piruetas diferenciadas terminam -uma e outra vez- concordando com os mesmos interesses e negociando, aceitando a rendição e o colonialismo. Em outras palavras, eles endossam – cada um a seu modo – as causas que sustentam e promovem a expansão incessante da miséria humana e a destruição do habitat. Os espaços e territórios que constituem os únicos verdadeiros abrigos que garantem uma existência possível dos seres humanos e das demais espécies que ali habitam.

Há uma ofensiva determinada e comandada para extinguir a vida em benefício financeiro exclusivo de minorias privilegiadas, que se consideram donas absolutas do destino de territórios e vidas.

Estas novas represálias contra os que testemunham, denunciando manobras criminosas institucionalizadas e sustentadas com a pior violência, como acontece na rixa de San Nicolás, Província de Buenos Aires; Não surpreendem, constituem abusos repetidos. Eventos semelhantes já haviam ocorrido em janeiro de 2021 (**). Intenções e ações que perseveram em suas ambições e ultrajes.

Se conseguirem impor o silêncio, haverá um extenso sepulcro social. Se houver inércia haverá mais desapropriação. Se houver obediência, haverá submissão e rendição. Sem a intervenção da defesa comum, não precisarão de uma ditadura militar para garantir a hegemonia terrorista de seus negócios sujos, os da “liberdade” de mercado e de muitos presos ou perseguidos.

É verdade que eles têm os recursos do poder, que gostam de usar e abusar abertamente. Eles têm assassinos institucionais e subcontratados parapoliciais. Eles têm funcionários que provocam incêndios a pedido e/ou os destroem com escavadeiras. E como se tudo isso não bastasse, eles também têm a indiferença de muitos.

Mas mesmo assim é insuficiente, para que o crime seja perfeito para eles, continuam precisando da deserção daqueles que resistem e denunciam sem trégua. Vozes sem mordaças, consciências sem taxas, exemplos de dignidade que são merecedores não só de respeito, mas de apoio concreto, empenho na defesa e na sua proteção contra qualquer acto repressivo.

Aqueles que questionam e demonstram saques não ameaçam, mas são ameaçados; as vontades coletivas ou individuais que defendem não são perigosas, pelo contrário, correm perigo. A repressão em San Nicolás é uma prova clara disso. Atos de despotismo e arrogância em ascensão, que se espalharam, para impor roubos generalizados em diferentes regiões do país. Cada nova agressão acentua a convicção de queResistir para existir é a alternativa

. O resto são histórias, daquelas que sempre terminam em rodas d’água ou desvios.

Portanto, o desafio continua sendo que todas essas lutas possam contar com a solidariedade e que essa irmandade seja alimentada e multiplicada com tantas capacidades de companheirismo quanto possível. É preciso construir pontes, tecendo as redes de centenas de resistências baseadas no reconhecimento mútuo e no apoio para defender a própria vida, hoje ameaçada; porque, em última análise, é disso que se trata. O resto será visto e se possível refletindo e agindo a partir do conjunto, multiplicador de forças e abrangência.

.

Links Relacionados:

.

Janeiro de 2023

.

(**) janeiro de 2021

.

.

outros links relacionados:

.

[email protected]

Source: https://argentina.indymedia.org/2023/01/14/argentina_brutal-agresion-policial-en-san-nicolas-pvcia-de-buenos-aires-no-a-la-impunidad/

Deixe uma resposta